Software de geração automática de música

Transarkiv é um projecto de documentação dinâmica, onde se registam não apenas produtos criativos finalizados mas também processos de trabalho e ligações teóricas e práticas. O Transarkiv transforma-se também a si próprio, através de métodos de composição algorítmica aplicados aos conteúdos do arquivo, gerando assim novos conteúdos artísticos. Este projecto consolida ainda o trabalho já existente, nomeadamente com a plataforma Phonambient – www.phonambient.com. É também uma forma de disponibilizar conteúdos para o público geral, contribuindo assim para a descentralização do acesso a conteúdos experimentais e para a preservação do património musical português.

Concepção: Rui Dias e Gustavo Costa
Programação: Rui Dias e Tiago Ângelo

Instruções:

A aplicação pode funcionar em modo autónomo, com as funções Autoplay e Automove. Nesta função, cada ficheiro circulará livremente no eixo X (panorâmica) e no eixo Y (volume). Funciona também em modo manual, bastando desligar as funções automáticas e adicionar e mover os sons desejados para o rectângulo central. Para cada som é possível utilizar um filtro de equalização. Todas as performances podem ser gravadas e arquivadas e, se desejado, transformadas consecutivamente. Espera-se ainda continuar a desenvolver esta aplicação, alargando o conjunto de funcionalidades, de processamento áudio e de formas de controlo externo.

Transarkiv recorre a um conjunto de algoritmos que recombina estocasticamente o arquivo sonoro que a Sonoscopia tem vindo a desenvolver. Os sons estão agrupados nas seguintes categorias:
– Field recordings (gravações de campo)
– Ambient (drones, massas sonoras, ambientes gerais)
– Textural (detalhes, ornamentação)
– Rhythmic (conteúdos rítmicos mais detalhados)
– Melodic (conteúdos melódicos mais detalhados)
– Performance (excertos de performances acabadas ou inacabadas)